LSD

  • estrutura química de lsd
    lsd
    star of life caution.svg aviso médico
    nome iupac (sistemática)
    (6ar,9r)-n,n-dietil-7-metil-4,6,6a,7,8,9-
    hexahidroindolo-[4,3-fg]quinolina-9-carboxamida
    identificadores
    cas 50-37-3
    atc ?
    pubchem 5761
    informação química
    fórmula molecular c20h25n3o 
    massa molar 323,4g/mol
    farmacocinética
    biodisponibilidade ?
    metabolismo hepático
    meia-vida 3 horas
    excreção renal
    considerações terapêuticas
    administração oral, intravenosa, transdermal
    dl50 12000 µg

    lsd é a sigla de lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, que é uma das mais potentes substâncias alucinógenas conhecidas.

    o lsd, ou mais precisamente lsd25, é uma droga cristalina, que ocorre naturalmente como resultado das reações metabólicas do fungo claviceps purpurea, relacionado especialmente com os alcaloides produzidos por esta cravagem. em 1943, o químico suíço albert hofmann, enquanto trabalhava na sandoz, ''acidentalmente'' descobriu os seus efeitos, de que se tornou entusiasta até sua morte aos 102 anos.

    a dietilamida do ácido lisérgico é sintetizada a partir da cravagem de um fungo do centeio (claviceps purpurea) fazendo primeiramente Ácido lisérgico obtido a partir da hidrolise catalítica da ergotamina ( substancia obtida no fungo ) então é feita uma adição redutiva de dietilamina no ácido formando dietilamida do acido lisérgico (lsd) . extremamente diluída, apresenta-se normalmente em barras, cápsulas, tiras de gelatina, líquidos, micro pontos ou folhas de papel secante (como selos ou autocolantes), sendo que uma dose média é de 50 a 75 microgramas. É consumido por via oral, absorção sub-lingual, injetada ou inalada. a substância age sobre os sistemas neurotransmissores serotononérgicos e dopaminérgicos. ademais, inibe a atividade dos neurônios do rafe (importantes em nível visual e sensorial), no entanto há hiperatividade e alteração de todos os sentidos. hoje é menos utilizada clinicamente, posto haver dificuldade em conseguir permissão dos governos, mas já foi extensivamente usada e pesquisada em décadas passadas. há pesquisas quanto a sua administração em pacientes terminais de câncer em alguns países desenvolvidos - acredita-se que a substância pode ajudá-los a lidar com a ideia do óbito e também funcionar como potente analgésico.

    a droga foi muito visada em pesquisas; psiquiatras e demais estudiosos do tema a testaram em si mesmos para melhor entender desordens severas por que pacientes eram acometidos, pois segundo teorias e dadas experiências era possível simular a esquizofrenia sob seu efeito, entre outras condições semelhantes. após certa experimentação e maior divulgação na comunidade científica, tornou-se prática frequente seu uso clínico em sessões de psicoterapia, pois acreditava-se que o inconsciente tornava-se intensamente acessível por meio do lsd, ajudando o paciente a chegar a uma nova percepção acerca das questões que envolvem seu universo psico-afetivo. stanislav grof, psiquiatra tcheco, ganhou renome mundial com o pioneirismo desta prática nos estados unidos, mas teve de abandoná-la oficialmente e procurar alternativas após a ilegalidade do lsd.

    atribui-se auxílio na descoberta da estrutura do dna, que rendeu o prêmio nobel a francis crick, à mente brilhante do cientista sob o lsd. similarmente ao modo como a molécula de benzeno foi descoberta no século xix em um sonho por friedrich von stradonitz, crick visualizou a dupla hélice do dna pela primeira vez, em meados do século xx, sob a influência essencialmente onírica do lsd. outra mente inventiva famosa que considerava a experiência com lsd como uma das mais importantes de sua vida foi steve jobs, co-fundador e antigo ceo da apple inc..

    a dietilamida do ácido lisérgico atingiu o apogeu de sua popularidade na década de 1960, estando seu consumo constantemente associado ao movimento psicodélico, que abrange imenso número de artistas; estão entre nomes famosos jim morrison, emerson lake and palmer, pink floyd, king crimson, jethro tull, tom zé, beatles etc. seu uso associa-se também a um dos pensadores e artistas de grande peso do século xx, aldous huxley, este situado na produção cultural erudita, autor das famosas obras "as portas da percepção", "admirável mundo novo" e "a ilha". especula-se que salvador dalí tenha feito uso da substância, visto ser bastante próximo ao vulgo "guru do lsd" timothy leary (apresentou-o à sua futura esposa, nena thurman, mãe da atriz uma thurman). nos anos dourados, o lsd, em seu auge, também teve sua proibição.

  • origens e história
  • regulamentação e pesquisa
  • dosagem
  • efeitos
  • ações consecutivas do lsd
  • química
  • produção
  • ligações externas

Estrutura química de LSD
Nome IUPAC (sistemática)
(6aR,9R)-N,N-Dietil-7-metil-4,6,6a,7,8,9-
hexahidroindolo-[4,3-fg]quinolina-9-carboxamida
Identificadores
CAS 50-37-3
ATC ?
PubChem 5761
Informação química
Fórmula molecular C20H25N3O 
Massa molar 323,4g/mol
Farmacocinética
Biodisponibilidade ?
Metabolismo hepático
Meia-vida 3 horas
Excreção renal
Considerações terapêuticas
Administração Oral, Intravenosa, Transdermal
DL50 12000 µg

LSD é a sigla de Lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, que é uma das mais potentes substâncias alucinógenas conhecidas.

O LSD, ou mais precisamente LSD25, é uma droga cristalina, que ocorre naturalmente como resultado das reações metabólicas do fungo Claviceps purpurea, relacionado especialmente com os alcaloides produzidos por esta cravagem. Em 1943, o químico suíço Albert Hofmann, enquanto trabalhava na Sandoz, ''acidentalmente'' descobriu os seus efeitos, de que se tornou entusiasta até sua morte aos 102 anos.

A dietilamida do ácido lisérgico é sintetizada a partir da cravagem de um fungo do centeio (Claviceps purpurea) fazendo primeiramente Ácido Lisérgico obtido a partir da hidrolise catalítica da ergotamina ( substancia obtida no fungo ) então é feita uma adição redutiva de Dietilamina no ácido formando Dietilamida do Acido Lisérgico (LSD) . Extremamente diluída, apresenta-se normalmente em barras, cápsulas, tiras de gelatina, líquidos, micro pontos ou folhas de papel secante (como selos ou autocolantes), sendo que uma dose média é de 50 a 75 microgramas. É consumido por via oral, absorção sub-lingual, injetada ou inalada. A substância age sobre os sistemas neurotransmissores serotononérgicos e dopaminérgicos. Ademais, inibe a atividade dos neurônios do rafe (importantes em nível visual e sensorial), no entanto há hiperatividade e alteração de todos os sentidos. Hoje é menos utilizada clinicamente, posto haver dificuldade em conseguir permissão dos governos, mas já foi extensivamente usada e pesquisada em décadas passadas. Há pesquisas quanto a sua administração em pacientes terminais de câncer em alguns países desenvolvidos - acredita-se que a substância pode ajudá-los a lidar com a ideia do óbito e também funcionar como potente analgésico.

A droga foi muito visada em pesquisas; psiquiatras e demais estudiosos do tema a testaram em si mesmos para melhor entender desordens severas por que pacientes eram acometidos, pois segundo teorias e dadas experiências era possível simular a esquizofrenia sob seu efeito, entre outras condições semelhantes. Após certa experimentação e maior divulgação na comunidade científica, tornou-se prática frequente seu uso clínico em sessões de psicoterapia, pois acreditava-se que o inconsciente tornava-se intensamente acessível por meio do LSD, ajudando o paciente a chegar a uma nova percepção acerca das questões que envolvem seu universo psico-afetivo. Stanislav Grof, psiquiatra tcheco, ganhou renome mundial com o pioneirismo desta prática nos Estados Unidos, mas teve de abandoná-la oficialmente e procurar alternativas após a ilegalidade do LSD.

Atribui-se auxílio na descoberta da estrutura do DNA, que rendeu o prêmio nobel a Francis Crick, à mente brilhante do cientista sob o LSD. Similarmente ao modo como a molécula de benzeno foi descoberta no século XIX em um sonho por Friedrich von Stradonitz, Crick visualizou a dupla hélice do DNA pela primeira vez, em meados do século XX, sob a influência essencialmente onírica do LSD. Outra mente inventiva famosa que considerava a experiência com LSD como uma das mais importantes de sua vida foi Steve Jobs, co-fundador e antigo CEO da Apple Inc..

A dietilamida do ácido lisérgico atingiu o apogeu de sua popularidade na década de 1960, estando seu consumo constantemente associado ao movimento psicodélico, que abrange imenso número de artistas; estão entre nomes famosos Jim Morrison, Emerson Lake and Palmer, Pink Floyd, King Crimson, Jethro Tull, Tom Zé, Beatles etc. Seu uso associa-se também a um dos pensadores e artistas de grande peso do século XX, Aldous Huxley, este situado na produção cultural erudita, autor das famosas obras "As Portas da Percepção", "Admirável Mundo Novo" e "A Ilha". Especula-se que Salvador Dalí tenha feito uso da substância, visto ser bastante próximo ao vulgo "guru do LSD" Timothy Leary (apresentou-o à sua futura esposa, Nena Thurman, mãe da atriz Uma Thurman). Nos anos dourados, o LSD, em seu auge, também teve sua proibição.

En otros idiomas
Afrikaans: LSD
Alemannisch: LSD
asturianu: LSD
azərbaycanca: LSD
беларуская: ЛСД
беларуская (тарашкевіца)‎: ЛСД
български: ЛСД
bosanski: LSD
català: LSD
Cymraeg: LSD
dansk: LSD
Deutsch: LSD
Esperanto: LSD
español: LSD
eesti: LSD
euskara: LSD
فارسی: ال‌اس‌دی
suomi: LSD
føroyskt: LSD
français: LSD
galego: LSD
עברית: LSD
hrvatski: Lizergid (LSD)
magyar: LSD
Bahasa Indonesia: Asam lisergat dietilamida
íslenska: LSD
italiano: LSD
日本語: LSD (薬物)
ქართული: ელესდი
lumbaart: LSD
lietuvių: LSD
norsk nynorsk: LSD
norsk: LSD
occitan: LSD
русский: ЛСД
sicilianu: LSD
srpskohrvatski / српскохрватски: Dietilamid liserginske kiseline
slovenščina: LSD
shqip: LSD
svenska: LSD
Türkçe: LSD
українська: ЛСД
Tiếng Việt: LSD