Facebook

Facebook
Logotipo do Facebook
Facebook Campus, Menlo Park, CA.jpg
Sede do Facebook em Menlo Park, Califórnia.
Razão social Facebook Inc.
Tipo Empresa de capital aberto
Slogan Facebook is a social utility that connects you with the people around you
No Facebook você pode se conectar e compartilhar o que quiser com quem é importante em sua vida
Cotação FB
Indústria Internet
Gênero Incorporation
Fundação 4 de fevereiro de 2004 (13 anos)
Cambridge, Massachusetts
  Estados Unidos
Fundador(es) Mark Zuckerberg
Eduardo Saverin
Andrew McCollum
Dustin Moskovitz
Chris Hughes
Sede Menlo Park, Califórnia,
  Estados Unidos
Área(s) servida(s) Estados Unidos (2004–05)
Mundo (2005–presente)
Presidente Mark Zuckerberg
Pessoas-chave Mark Zuckerberg (CEO)
Sheryl Sandberg (COO)
David Ebersman (CFO)
Donald Graham (Chairman)
Empregados 12,691 ( 2015) [1]
Subsidiárias Instagram
WhatsApp
Oculus VR
Receita Aumento US$7.87 bilhões (2013) [2]
Lucro Aumento US$4.90 bilhões (2011) [3]
LAJIR Aumento US$2.80 bilhões (2013) [2]
Renda líquida Aumento US$1.50 bilhões (2013) [2]
Posição no Alexa Baixa 3º (27 de março de 2016) [4]
Website oficial www.facebook.com

Facebook é uma rede social lançada em 4 de fevereiro de 2004, operado e de propriedade privada da Facebook Inc.. [5] Em 4 de outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos, sendo por isso a maior rede social em todo o mundo. [6] O nome do serviço decorre o nome coloquial para o livro dado aos alunos no início do ano letivo por algumas administrações universitárias nos Estados Unidos para ajudar os alunos a conhecerem uns aos outros. O Facebook permite que qualquer usuário que declare ter pelo menos 13 anos possa se tornar usuário registrado do site. [7]

O Facebook foi fundado por Mark Zuckerberg e por seus colegas de quarto da faculdade Eduardo Saverin, Dustin Moskovitz e Chris Hughes. [8] A criação do site foi inicialmente limitada pelos fundadores aos estudantes da Universidade de Harvard, mas foi expandida para outras faculdades na área de Boston, da Ivy League e da Universidade de Stanford. O site gradualmente adicionou suporte para alunos em várias outras universidades antes de abrir para estudantes do ensino médio e, mais tarde, para qualquer pessoa com treze anos ou mais. No entanto, com base em dados de maio de 2011 do ConsumersReports.org, existiam 7,5 milhões de crianças menores de 13 anos com contas no Facebook, violando os termos de serviço do próprio site. [9]

Um estudo de janeiro de 2009 do Compete.com classificou o Facebook como a rede social mais utilizada em todo o mundo por usuários ativos mensais. [10] A Entertainment Weekly incluiu o site na sua lista de "melhores de", dizendo: "Como vivíamos antes de perseguirmos os nossos ex-namorados, lembrarmos dos aniversários dos nossos colegas de trabalho, irritarmos os nossos amigos e jogarmos um jogo empolgante de Scrabulous antes do Facebook?" [11] A Quantcast afirma que o Facebook teve 138,9 milhões de visitantes únicos mensais nos Estados Unidos em maio de 2011. [12] De acordo com o Social Media Today, estimava-se que em abril de 2010 cerca de 41,6% da população estadunidense tinha uma conta no Facebook. [12] No entanto, o crescimento de mercado do Facebook começou a estabilizar em algumas regiões, sendo que o site perdeu 7 milhões de usuários ativos nos Estados Unidos e no Canadá em maio de 2011. [13] O Facebook entrou com pedido de uma oferta pública inicial em 1 de fevereiro de 2012, [3] e começou a venda das ações após três meses, chegando a uma capitalização de US$ 104 bilhões de dólares. [14]

Em 21 de julho de 2016, o Facebook fez seu primeiro voo com drone que deve levar internet a todo o mundo. O modo escolhido por Zuckerberg e sua equipe para tentar levar a web a um público que, hoje, está offline, foi apostar em equipamentos voadores alimentados por energia solar, e depois de meses de testes com modelos menores, a empresa finalmente realizou o primeiro voo de seu drone Aquila. [15] [16]

História

Ver artigo principal: História do Facebook

Origem

Mark Zuckerberg, co-fundador e CEO do Facebook

Mark Zuckerberg fundou, juntamente ao brasileiro Eduardo Saverin e os estadunidenses Dustin Moskovitz e Chris Hughes, o The Facebook em fevereiro de 2004, enquanto frequentava a Universidade de Harvard, com o apoio de Andrew McCollum e Eduardo Saverin. Até o final do mês, mais da metade dos estudantes não-graduados em Harvard foi registrada no serviço. Naquela época, Zuckerberg se juntou a Dustin Moskovitz e Chris Hughes para a promoção do site e o Facebook foi expandido à Universidade de Stanford, à Universidade Columbia e à Universidade Yale. Esta expansão continuou em abril de 2004 com o restante das Ivy League, entre outras escolas. No final do ano letivo, Mark e Dustin se mudaram para Palo Alto, Califórnia, com Andrew que havia conseguido um estágio de verão na Electronic Arts. Eles alugaram uma casa perto da Universidade de Stanford, onde se juntaram a Adam D'Angelo e Sean Parker. Andrew McCollum decidiu deixar a EA para ajudar em tempo integral no desenvolvimento do Facebook e do site "irmão" Wirehog. Em setembro, Divya Narendra, Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss, proprietários do site HarvardConnection, posteriormente chamado ConnectU, entraram com uma ação judicial contra o Facebook alegando que Mark Zuckerberg teria utilizado código fonte ilegalmente do HarvardConnection, do qual ele tinha acesso. A ação não procedeu. [17] [18] Também nessa altura, o Facebook recebeu aproximadamente US$500.000 do co-fundador do PayPal Peter Thiel, como um angel investor. Em dezembro a base de usuários ultrapassou 1 milhão.

Década de 2000

Uma página de perfil no Thefacebook em 2005.

Em maio de 2005, o Facebook recebeu 12,8 milhões de dólares de capital da Accel Partners. [19] Em 23 de agosto de 2005, o Facebook compra o domínio facebook.com da Aboutface por US$200.000,00 e descarta definitivamente o "The" de seu nome. A esta data, o Facebook foi "repaginado" recebendo uma atualização que, segundo Mark, deixou mais amigável aos usuários. Também neste mês, Andrew McCollum retornou a Harvard, mas continuou atuando como consultor e retornando ao trabalho em equipe durante os verões. Como antes, Chris Hughes permaneceu em Cambridge, enquanto exercia sua função como representante da empresa. Então, em 2 de setembro, Mark Zuckerberg lançou a interação do Facebook com o ensino secundário. Embora inicialmente definido para separar as "comunidades" para que os usuários precisassem ser convidados para participar, dentro de 15 dias as redes escolares não mais exigiam uma senha para acessar (embora o cadastro no Facebook ainda exigisse). Em outubro, a expansão começou a atingir universidades de pequeno porte e instituições de ensino pós-secundário (junior colleges) nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, além de ter expandido a vinte e uma universidades no Reino Unido, ao Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey no México, a Universidade de Porto Rico em Porto Rico e toda a Universidade das Ilhas Virgens nas Ilhas Virgens Americanas. Em 11 de dezembro de 2005, universidades da Austrália e Nova Zelândia aderiram ao Facebook, elevando sua dimensão para mais de 2 mil colégios e mais de 25 mil universidades em todo o Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Irlanda. [20]

Em 27 de fevereiro de 2006, o Facebook passou a permitir que estudantes secundaristas adicionassem estudantes universitários a pedido dos usuários. Um mês depois, em 28 de março, a revista BusinessWeek noticia que uma potencial aquisição estava em negociação. O Facebook declaradamente recusou uma oferta de US$750 milhões, e estimou seu preço em US$2 bilhões. [21] Em abril, Peter Thiel, Greylock Partners e Meritech Capital Partners investiram um adicional de US$25 milhões no site. [22] Em maio, a rede do Facebook se expandiu à Índia, no Instituto Indiano de tecnologia (IIT) e no Instituto Indiano de gestão (IIG). No mês seguinte, o Facebook ameaçou pedir até US$100.000,00 ao Quizsender.com por violação de direitos autorais por copiar a ferramenta "visual e sensação" do Facebook. [23] [24] Em 25 de junho, novos recursos foram adicionados ao site para potencialmente atrair receitas adicionais. Foi feita uma promoção em parceria com a iTunes Store onde membros da Apple Students iriam receber gratuitamente 25 músicas de amostra em vários gêneros musicais por semana até 30 de setembro. A promoção propunha deixar os estudantes mais entusiasmados e familiarizados com os serviços. [25] Em meados de agosto, o Facebook adicionou universidades na Alemanha e colégios em Israel à sua rede. Em 22 de agosto o Facebook introduz o Facebook Notes, um recurso de blog com sistema de tags, imagens embutidas, entre outros recursos também permitindo a importação dos serviços de blogs Blogger, Xanga e LiveJournal. Este recurso ganhou posteriormente a possibilidade de comentar as postagens comuns nos sistemas "concorrentes". Em 11 de setembro o Facebook foi aberto para cadastro para todo o público. [26]

Em 10 de maio de 2007, o Facebook anuncia um plano para adicionar classificados grátis em seu website. [27] Este recurso ganhou vida em 14 de maio e foi chamado Facebook Marketplace. Também em maio, o Facebook lança sua API, chamada Facebook Plataform, para desenvolvimento de aplicações para serem usadas no site. [28] Em junho, a parceria com a iTunes Store foi continuada oferecendo amostras de músicas grátis para o grupo Apple Students. Em julho o Facebook anuncia sua primeira aquisição: Parakey, Inc, de Blake Ross e Joe Hewitt. Em agosto, a companhia foi capa da edição especial anual "College" da Newsweek [29] Em 25 de setembro surge um rumor de que a Microsoft teria interesse em comprar parte do Facebook; rumor este confirmado um mês depois com a compra de 1.6% do Facebook por US$240 milhões. [30] Uma venda completa do Facebook é no momento, improvável, diz Mark Zuckerberg. Em 7 de novembro de 2007, o Facebook anuncia o Facebook Ads, uma iniciativa de marketing que inclui um sistema de sites parceiros para permitir aos usuários compartilhar informações sobre suas atividades neles com amigos no Facebook (Facebook Beacon); a possibilidade de empresas hospedarem páginas no Facebook de várias marcas, produtos e serviços (Facebook Pages); um sistema de veiculação de anúncios baseado no perfil do usuário e de seus amigos e em dados de atividade (Facebook Social Ads); e um serviço de fornecimento de publicidade com empresas fornecendo dados analíticos incluindo métricas de desempenho (Facebook Insights). No que diz respeito à privacidade, o Facebook afirma que "nenhuma informação pessoal identificável é partilhada com o anunciante ao criar a Social Ad" e que "usuários do Facebook apenas verão os Social Ads à medida que os amigos compartilharem informações com eles". O Facebook Ads substitui o programa anterior Facebook Flyers. Em 30 de novembro de 2007 o bilionário chinês Li Ka-Shing investe US$60 milhões no Facebook.

No ano de 2008, a rede social Twitter rejeita uma oferta milionária que o jovem Mark Zuckerberg (dono do Facebook) lhe propôs, Biz Stone disse que "rede social de microblogs queria, na realidade, não virar um site popular e sim uma autêntica empresa geradora de lucros, e por isso não tinha interesse em se fundir com outra companhia. Criamos algo que as pessoas acham que tinha valor, mas ainda não fizemos disso um negócio, e nós gostaríamos muito de fazer isso", explicou Stone." [31] Segundo o jornal Financial Times, o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, não conseguiu fazer nenhuma oferta que interessasse aos três proprietários do Twitter, Biz Stone, Evan Williams e Jack Dorsey. [32]

Em 13 de junho de 2009 o Facebook introduziu o recurso "Nome de usuário" em que as páginas podem ser acessadas em URLs mais simples escolhidas pelo próprio usuário. [33]

Década de 2010

Em 18 de maio de 2010, o Facebook juntamente com a operadora de celular TIM do Brasil, lançaram o serviço de acesso grátis ao site 0.facebook.com através do próprio aparelho celular. Apesar do serviço ser grátis para todos os planos como Pré e Pós-pago, o serviço causou muitos transtornos por estar fazendo cobranças indevidas aos usuários Pré-pagos. [34] A população brasileira na internet saltou de 33,3 milhões em 2009 para 40 milhões em 2010, segundo os dados da comScore, fazendo do Brasil o 8º país com o maior número de internautas no mundo. [35] Em abril de 2010, 41,6% da população estadunidense tinha uma conta no Facebook. No entanto, o crescimento de mercado do Facebook começou a estabilizar em algumas regiões, sendo que o site perdeu 7 milhões de usuários ativos nos Estados Unidos e no Canadá em maio de 2011.

Em fevereiro de 2011, [36] o Facebook criou o aplicativo Calendário para marcar eventos, permitindo a extração de dados para usuários dos próprio calendário ou aplicativos de mapeamento.

Desde abril de 2011, [37] os usuários do Facebook tiveram a capacidade de fazer chamadas de voz ao vivo via Facebook Chat, que permite aos usuários conversar com outras pessoas de todo o mundo. Esse recurso, que é fornecido gratuitamente através do serviço novo T-Mobile Bobsled, permite ao usuário adicionar voz ao Chat do Facebook atual, bem como deixar mensagens de voz no Facebook. Em 6 de julho de 2011, o Facebook lançou seus serviços de chamadas de vídeo usando o Skype como seu parceiro tecnológico. Ele permite transmissão de vídeo da Webcam de um usuário para o Facebook do outro (vice-versa).

Em 14 de setembro de 2011, [38] o Facebook lançou um botão Assinar. O recurso permite aos usuários acompanhar as atualizações públicas de seus amigos.

Em junho de 2011, o Ministério da Justiça do Brasil cobrou esclarecimentos sobre a ativação do serviço de reconhecimento facial, devido à exposição inadequada que isto pode gerar aos usuários. [39] A empresa também foi processada por uma empresa chamada Timeline, por conta do uso indevido da marca. [40]

Em julho de 2011, autoridades da Alemanha começaram a discutir a proibição de eventos marcados pelo site. A decisão está baseada em diversos casos de superlotação ou recepção de pessoas não convidadas a eventos particulares. [41] [42] No evento do 16º aniversário de uma garota em Hamburgo, que foi acidentalmente configurado como público, 1500 "convidados" compareceram à festa, e após relatos de distúrbios na sobrelotação, mais de uma centena de policiais tiveram de ser destacados para controlar a multidão. Um policial ficou ferido e onze participantes foram detidos por agressão, danos materiais e resistência às autoridades. [43] Em outro evento com superlotação inesperada, 41 jovens foram detidos e pelo menos 16 ficaram feridos. [44]

Ocorreu uma brecha na segurança do Facebook permitiu que vazassem na Internet fotos que Mark Zuckerberg configurou como sendo privadas. [45] [46] As imagens mostram Zuckerberg cozinhando, recebendo amigos e dormindo com o cachorro. [47] [48] [49] [50]

Consolidação mundial

Rede social mais popular por país
  Facebook
   Twitter
   QZone
  Facenama
  Sem dados

No início de 2012 o Facebook se tornou a maior rede social no Brasil e no restante da América Latina, ultrapassando o Orkut, Tumblr, Twitter. Durante o mês de dezembro de 2011, segundo dados da comScore divulgados em janeiro. Pesquisa da companhia mostrou que a rede fundada por Mark Zuckerberg atraiu 36,1 milhões de visitantes durante o período, superando os 34,4 milhões registrados pela rede social do Google. [51]

Em 13 de janeiro de 2012, o Facebook lançou a funcionalidade que permite que o usuário escute uma música que o amigo está ouvindo. [52]

Em 29 de fevereiro o Facebook lança a linha do tempo também para páginas fã. [53] Pouco depois, o Facebook anunciou que uma nova ferramenta que permite que o usuário escute uma música que seu amigo esteja escutando ao mesmo tempo. Também é possível escutar a mesma música em um grupo, permitindo que seu amigo brinque de DJ. [54] Quando seu amigo estiver escutando uma música, uma nota musical aparecerá ao lado do seu nome. Para escutar a música, basta apenas você clicar no nome do seu amigo, que aparecerá uma janela com um botão escrito “Listen with” (escute com em português), clique no botão e você ouvirá música com seu amigo, como mostra a figura acima. Além de escutar você poderá comentar sobre a música. [55]

Após lançar ações na bolsa, estima-se que o Facebook atingirá o valor de 100 bilhões de dólares ainda no primeiro semestre de 2012. [56] Na estreia da sua oferta pública de ações, em 17 de maio de 2012, o Facebook levantou 16 bilhões de dólares, tornando-se a terceira maior captação da história dos EUA (apenas à frente da AT&T Wireless e atrás da General Motors e Visa). [57] [58] No total, a empresa registrou 421,2 milhões em ações vendidas, e devido a grande procura, aumentou o valor de uma ação de 34 dólares para 38 dólares, atingindo o máximo esperado. A oferta inicial informada era de 484,4 milhões, podendo arrecadar até 18,4 bilhões. A empresa será listada na bolsa da Nasdaq sob a sigla FB. A oferta de ações da rede social tornou-se a maior oferta de uma empresa de tecnologia, sendo também a 10ª maior dos últimos 25 anos. [59]

Em 9 de abril de 2012, Mark Zuckerberg anuncia em seu perfil a aquisição do aplicativo Instagram pelo valor de aproximadamente 1 bilhão de dólares. [60]

Logo do Instagram, adquirido pelo Facebook em 2012.
Logo do WhatsApp, adquirido pelo Facebook em 2014.

Após o lançamento na bolsa, o Facebook perdeu cerca de 50% do seu valor. Alguns sites publicaram uma possível saída de Mark Zuckerberg do posto de CEO do Facebook. [61] Na manhã do dia 4 de outubro, Marc Zuckerberg informou que havia já mais de mil milhões de utilizadores ativos do Facebook. [62]

Em março de 2013 o Facebook anunciou mudanças em sua Linha do Tempo dos usuários. O novo design adiciona livros que o usuário leu ou gosta, filmes e músicas. A área fica ao lado das fotos pessoais e dos amigos. Quem gosta de assistir a filmes pode adicionar as produções favoritas e usar aplicativos como o Netflix para compartilhar o que se está assistindo no momento. A mudança vem acontecendo aos poucos, mas até o segundo semestre de 2013 todos os usuários já estarão com sua Linha do Tempo atualizada. Até o Google quis comprar o Facebook, mas Mark Zuckerberg não quis vender. [63]

No dia 19 de fevereiro de 2014 a empresa anunciou que comprou o aplicativo WhatsApp por 16 bilhões de dólares. O valor é o mais alto já pago por um aplicativo móvel, desde que a própria rede social comprou o Instagram. Também é a maior aquisição do site de Mark Zuckerberg. O acordo também prevê um pagamento adicional de 3 bilhões de dólares aos fundadores e funcionários do WhatsApp que poderão comprar ações restritas do Facebook dentro de quatro anos. Além disso, o presidente-executivo e cofundador do WhatsApp, Jan Koum, tomará lugar no conselho administrativo do Facebook. [64]

No dia 27 de junho de 2017, o Facebook atingiu dois bilhões de usuários. [65]

En otros idiomas
Acèh: Facebook
Afrikaans: Facebook
Akan: Facebook
Alemannisch: Facebook
አማርኛ: ፌስቡክ
العربية: فيسبوك
مصرى: فيسبوك
অসমীয়া: ফেচবুক
asturianu: Facebook
авар: Фейсбук
azərbaycanca: Facebook
Boarisch: Facebook
žemaitėška: Facebook
Bikol Central: Facebook
беларуская: Facebook
беларуская (тарашкевіца)‎: Facebook
български: Фейсбук
भोजपुरी: फेसबुक
Bahasa Banjar: Facebook
বাংলা: ফেসবুক
brezhoneg: Facebook
bosanski: Facebook
català: Facebook
нохчийн: Facebook
Cebuano: Facebook
کوردی: فەیسبووک
čeština: Facebook
Чӑвашла: Facebook
Cymraeg: Facebook
dansk: Facebook
Deutsch: Facebook
Thuɔŋjäŋ: Peithbuk
Zazaki: Facebook
डोटेली: फेसबुक
Ελληνικά: Facebook
emiliàn e rumagnòl: Facebook
English: Facebook
Esperanto: Facebook
español: Facebook
eesti: Facebook
euskara: Facebook
estremeñu: Facebook
فارسی: فیس‌بوک
suomi: Facebook
føroyskt: Facebook
français: Facebook
arpetan: Facebook
Frysk: Facebook
Gaeilge: Facebook
贛語: Facebook
galego: Facebook
Avañe'ẽ: Facebook
𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺: 𐍆𐌴𐍃𐌱𐌿𐌺
ગુજરાતી: ફેસબુક
Gaelg: Facebook
Hausa: Facebook
עברית: פייסבוק
हिन्दी: फेसबुक
hrvatski: Facebook
magyar: Facebook
Հայերեն: Ֆեյսբուք
Bahasa Indonesia: Facebook
Interlingue: Facebook
Ilokano: Facebook
íslenska: Facebook
italiano: Facebook
日本語: Facebook
Basa Jawa: Facebook
ქართული: Facebook
Qaraqalpaqsha: Facebook
Taqbaylit: Facebook
Kabɩyɛ: Facebook
қазақша: Facebook
ភាសាខ្មែរ: ហ្វេសប៊ុក
한국어: 페이스북
Kurdî: Facebook
Кыргызча: Facebook
Latina: Facebook
Ladino: Facebook
Lëtzebuergesch: Facebook
Limburgs: Facebook
lumbaart: Facebook
lietuvių: Facebook
latviešu: Facebook
मैथिली: फेसबुक
Malagasy: Facebook
олык марий: Facebook
Baso Minangkabau: Facebook
македонски: Фејсбук
монгол: Facebook
मराठी: फेसबुक
Bahasa Melayu: Facebook
Malti: Facebook
မြန်မာဘာသာ: ဖေ့စ်ဘွတ်ခ်
эрзянь: Facebook
مازِرونی: فیسبوک
Nāhuatl: Facebook
Plattdüütsch: Facebook
Nedersaksies: Facebook
नेपाली: फेसबुक
नेपाल भाषा: फेसबुक
Nederlands: Facebook
norsk nynorsk: Facebook
norsk: Facebook
Diné bizaad: Naaltsoos biniiʼ
ଓଡ଼ିଆ: ଫେସବୁକ
Ирон: Facebook
ਪੰਜਾਬੀ: ਫ਼ੇਸਬੁੱਕ
Kapampangan: Facebook
Papiamentu: Facebook
Deitsch: Facebook
polski: Facebook
Piemontèis: Facebook
پنجابی: فیس بک
پښتو: فېس بوک
română: Facebook
русский: Facebook
Kinyarwanda: Facebook
संस्कृतम्: फेस्बुक्
саха тыла: Фэйсбук
sicilianu: Facebook
Scots: Facebook
سنڌي: فيس بڪ
srpskohrvatski / српскохрватски: Facebook
සිංහල: ෆේස්බුක්
Simple English: Facebook
slovenčina: Facebook
slovenščina: Facebook
Soomaaliga: Wejibuug
shqip: Facebook
српски / srpski: Фејсбук
Seeltersk: Facebook
Basa Sunda: Facebook
svenska: Facebook
Kiswahili: Facebook
ślůnski: Facebook
தமிழ்: முகநூல்
తెలుగు: ఫేస్‌బుక్
tetun: Facebook
тоҷикӣ: Фейсбук
Tagalog: Facebook
Türkçe: Facebook
татарча/tatarça: Facebook
тыва дыл: Facebook
ئۇيغۇرچە / Uyghurche: Facebook
українська: Facebook
اردو: فیس بک
oʻzbekcha/ўзбекча: Facebook
vèneto: Facebook
vepsän kel’: Facebook
Tiếng Việt: Facebook
West-Vlams: Facebook
Winaray: Facebook
მარგალური: ფეისბუქი
ייִדיש: פייסבוק
中文: Facebook
文言: 面書
Bân-lâm-gú: Facebook
粵語: Facebook
isiZulu: IFacebook