Endogamia

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Heredograma mostrando a diferença entre endogamia e exogamia, bem como os alelos envolvidos

Endogamia ou consanguinidade é o método de acasalamento que consiste na união entre indivíduos aparentados, geneticamente semelhantes. Quando os progenitores de um ser vivo que se reproduz sexuadamente possuem um ou mais ancestrais comuns, isto é, são parentes, diz-se que eles são consanguíneos ou endogâmicos. O resultado desse acasalamento é o aumento da homozigose, o que acaba resultando em perda de vigor, assim como na perda da variância, à medida que aumenta o parentesco. Em contrapartida, pode ser usada para melhoramento genético, visando a selecionar determinado caractere desejável, quando em sua máxima expressão (F=1).

A endogamia pode ocorrer de forma natural (em plantas autógamas, por exemplo), não intencional (como no caso de populações pequenas, nas quais o acasalamento entre indivíduos aparentados é o único viável), ou pode ser induzida intencionalmente (como na formação de raças de animais ou de linhagens endogâmicas de plantas). Uma das suas causas é a fragmentação de habitat, que leva ao isolamento de populações e consequente redução do número de indivíduos. Isso aumenta a probabilidade de cruzamento entre indivíduos com alto grau de parentesco. 

Endogamia industrial

Gado nelore.

Mesmo não sendo uma metodologia recomendada do ponto de vista biológico, a endogamia é um recurso amplamente utilizado nos setores agrários para aprimoramento genético, levando em consideração, é claro, o que o mercado procura. Quando uma característica é comercialmente valiosa, ela é fixada através do acasalamento endogâmico, que é monitorado por profissionais qualificados e auxiliado por ferramentas de seleção. O resultado desejado é recorrentemente alcançado, mas ainda assim pode acarretar disfunções não somente para a indústria, mas também para a espécie cultivada.

Atualmente, a endogamia vem ganhando destaque na mídia especializada em pecuária bovina, preocupando muitos criadores e chamando a atenção de pesquisadores e selecionadores nos programas de melhoramento atuais.

Cruzamentos consanguíneos foram utilizados, a princípio, como técnica para a formação de raças puras no século XVIII, através de ferramentas genéticas que resultaram na formação de linhagens homozigotas. Tais linhagens obtiveram grande sucesso na época, porém, fazia-se necessária a utilização de uma forte pressão de seleção contra animais indesejáveis e defeituosos.

A endogamia, no contexto industrial, pode ocorrer quando criadores utilizam certos animais que imprimam suas características raciais em seus filhos com grande êxito ou quando as opções de acasalamentos são reduzidas, fazendo com que os produtores acabem cruzando indivíduos aparentados para a produção da próxima geração.

O uso de biotecnologias reprodutivas, como a inseminação artificial, a transferência de embrião e a fertilização in vitro, também tem levado a uma maior endogamia, pois permite um número muito maior de descendentes por touro (e por vaca, no caso da transferência de embrião e da fertilização in vitro). Entretanto, vale ressaltar que, por mais produtiva que seja uma fêmea, o impacto desta não se compara àquele proporcionado por um grande macho reprodutor utilizado em inseminação artificial.

Quanto ao aspecto genético, as técnicas de melhoramento buscam fundamentalmente dois objetivos: alteração nas frequências dos genes — que pode se dar pela seleção, migração e mutação — e alteração nas frequências dos genótipos, que ocorre, principalmente, pelo sistema de endogamia.

Considerando que cada animal recebe 50% de seus genes de cada um de seus progenitores, quanto mais aparentados eles forem, maiores serão as chances de a prole possuir dois genes idênticos presentes em um determinado locus. A prática da endogamia é usual entre criadores de raças puras que desejam assegurar uma uniformidade racial e a fixação de caracteres desejáveis a certas linhagens de animais.

Principais efeitos

A endogamia tem, como principais efeitos:

  • Diminuição da variabilidade dos genes, levando à produção de animais mais similares entre si;.
  • O aumento da homozigose, podendo levar à depressão endogâmica (em bovinos de corte, foi observada grande por depressão endogâmica para características produtivas e reprodutivas);
  • Aumento da homozigose, tendo por consequência o aumento da produtividade tanto entre raças como nas linhagens de uma mesma raça;
  • Anomalias genéticas, como agnatia, catarata congênita, hipoplasia do ovário ou testículo, hérnia umbilical, entre outras.

Exemplos de consequências da homozigose em genes recessivos de animais domésticos

Cães

Fenótipo:

  • Distrofia muscular: os animais afetados apresentam um andar anormalmente rígido, tendo os membros posteriores movimento similar ao dos coelhos, abdução das patas e adução dos joelhos e jarretes. O enfraquecimento muscular e a fraqueza ocorrem progressivamente.

Gatos

Fenótipo:

Suínos

Fenótipo:

  • Ausência de extremidades: os leitões nascem vivos, porém sem os membros anteriores e posteriores;
  • Fissura palatina: os filhotes não conseguem mamar;
  • Hemofilia: defeito na coagulação sanguínea;
  • Hidrocefalia: os leitões nascem mortos, ou morrem poucos dias após o parto;
  • Paralisia: afeta apenas os membros posteriores. Os filhtes se arrastam com a ajuda dos membros anteriores, morrendo em poucos dias.

Ovinos

Fenótipo:

  • Contratura muscular: no nascimento, os membros se apresentam fixos, rígidos, em posições anormais e com movimento articular mínimo.

Bovinos

Fenótipo:

  • Agnatia: ausência de mandíbula;
  • Amputação: os membros anteriores terminam no úmero e os posteriores podem existir até os joelhos. Os afetados apresentam ainda palato fendido e hidrocefalia, morrendo dentro de poucos dias;
  • Prognatismo: crânio largo, órbitas oculares grandes, testa larga, bem como ossos nasais largos e chatos. Visão prejudicada à luz do dia;
  • Hérnia cerebral: remanesce uma abertura (causada pela falha na ossificação dos frontais) por onde o tecido cerebral sofre protrusão. Os bezerros são natimortos, ou morrem após o parto;
  • Catarata congênita: o cristalino é opaco. A córnea, com o passar do tempo, aumenta e e sofre distorção;
  • Molares fundidos: os pré-molares estão fundidos com a mandíbula, que é reduzida no comprimento e na largura, resultando na aparência de “boca de papagaio”.

Equinos

Fenótipo:

Como controlar a endogamia

O controle da endogamia pode se dar em 4 diferentes fases de um programa de melhoramento, sendo elas:

  • Avaliação genética;
  • Seleção dos animais;
  • Definição dos acasalamentos;
  • Seleção de acasalamentos.

Em qualquer uma das estratégias adotadas, a ideia básica é manter a endogamia sob controle sem reduzir o ganho genético, numa visão a curto e/ou longo prazo.

As principais limitações para que isso ocorra são: informação de parentesco perdida ou desconhecida, erro na informação de parentesco e a tendência a focar o controle somente na próxima geração. Além de afetar a regulação da endogamia, a informação de parentesco incorreta ou desconhecida acarreta em redução do progresso genético que se poderia alcançar.

En otros idiomas
العربية: زواج الأقارب
azərbaycanca: Endoqamiya
Bikol Central: Endogamiya
беларуская: Эндагамія
català: Endogàmia
čeština: Endogamie
dansk: Endogami
Deutsch: Endogamie
English: Endogamy
Esperanto: Endogamio
español: Endogamia
eesti: Endogaamia
euskara: Endogamia
suomi: Endogamia
français: Endogamie
עברית: אנדוגמיה
hrvatski: Endogamija
magyar: Endogámia
Bahasa Indonesia: Endogami
italiano: Endogamia
日本語: 族内婚
Nederlands: Endogamie
ਪੰਜਾਬੀ: ਅੰਤਰ ਵਿਆਹ
polski: Endogamia
română: Endogamie
русский: Эндогамия
srpskohrvatski / српскохрватски: Endogamija
Simple English: Endogamy
српски / srpski: Ендогамија
svenska: Endogami
தமிழ்: அகமணம்
українська: Ендогамія
中文: 內婚制